A gestão dos processos minerários em um só lugar.

A indústria da mineração é uma força importante na economia mundial, onde muitos países de baixa e média renda dependem da mesma para estabilidade econômica. Estudos do ICMM (International Council of Mining and Metals) demonstram que os ganhos com a mineração podem gerar efeitos positivos para o desenvolvimento, contribuindo para a criação de empregos, para a redução da pobreza e para um aumento da qualidade de vida.

Como visto no post Mineração no Brasil, os minérios explorados que mais se destacam no país são o alumínio, cobre, estanho, ferro, manganês, nióbio, níquel e ouro, que correspondem a 98,6% do valor de toda a produção mineral brasileira comercializada. É importante termos mais noção da importância e do cenário econômico de cada um:

Figura 01 - Alumínio. Fonte: EGA.

Alumínio

O processo industrial de obtenção do alumínio engloba três etapas principais: a extração do mineral bauxita; o refino da bauxita em óxido de alumínio: a alumina; e a transformação da alumina no metal primário alumínio. O Brasil é o décimo primeiro produtor de alumínio primário e terceiro produtor de alumina, atrás da China e Austrália.

Grande parte das reservas mundiais está localizada em regiões tropicais e subtropicais. O Brasil dispõe de excelentes reservas, que em 2017 somaram 65,4 bilhões em faturamento, distribuídas principalmente na região Norte (Pará e Amazonas), mas também nas regiões Sudeste e Sul. Segundo dados da ANM, duas empresas concentram mais de 70% da extração de alumínio no Brasil: a Mineração Rio do Norte e a Paragominas, ambas localizadas no estado do Pará

A mineração sustentável da bauxita, minério que dá origem ao alumínio, é uma prática consolidada e um diferencial da indústria no país para a competitividade global do setor. O Brasil detém grandes reservas de bauxitas e ainda possui potencial para novas descobertas e/ou ampliação de suas reservas

Principais minas: Oriximiná e Paragominas (PA).

Figura 02 - Cobre. Fonte: Telegraph.

Cobre

Devido à sua disponibilidade e condutividade, o cobre é um metal encontrado em inúmeros produtos, desde itens de consumo até automóveis. O crescimento contínuo de sua demanda mundial nos próximos 25 anos, poderá ser intensificado com a recuperação econômica mundial.

Em 2018, a demanda global por esse metal ficou em 23,6 milhões de toneladas, e a projeção para 2027 é atingir pouco menos de 30 milhões de toneladas, representando uma taxa média anual de crescimento de 2,6%. Segundo dados da ANM, duas empresas concentram mais de 70% da extração de cobre no Brasil. A Salobo Metais e a Vale, ambas localizadas no estado do Pará.

Este crescimento refere-se não somente ao aumento de consumidores, mas também à utilização de energia limpa e renovável, que exige muito mais cobre que a fontes tradicionais de energia. No Brasil, a demanda por cobre tem sido historicamente maior que a produção, mas há um grande potencial geológico para exploração de cobre em diferentes regiões do país.

Principais minas: Chapada (GO); Sossego (PA); Salobo (PA) e Caraíba (BA).

Figura 03 - Mineralização de cassiterita e hematita em camadas na mina de Zincidere. Fonte: Researchgate.

Estanho

O estanho é usado para produzir diversas ligas metálicas utilizadas para recobrir outros metais e protegê-los da corrosão, possui como principais minérios: Hematita e Cassiterita. A oferta de cassiterita e a segurança da disponibilidade de reservas econômicas do mineral são os fatores determinantes da indústria metalúrgica do estanho. Essas condicionantes estão presentes no Brasil e a produção do estanho se faz com qualidade e sem dificuldade, diante do domínio tecnológico. O Brasil é dos poucos países produtores que também é consumidor de estanho.

Segundo dados da ANM, duas empresas concentram quase 60% da extração de estanho no Brasil. A Mineração Taboca e a Coopermetal Coop Metalurgia de Rondônia, localizadas nos estados do Amazonas e Roraima respectivamente.

Principais minas: Bom Futuro (RO); Massangana (RO) e São Lourenço (RO).

Figura 04 - Minério de ferro. Fonte: Videoblocks.

Ferro

O Quadrilátero Ferrífero (QF), como o próprio nome indica, é a principal província mineral ferrífera do Brasil. É uma quadrícula localizada ao sul da cidade de Belo Horizonte, no estado de Minas Gerais.

A Vale sozinha, segundo dados da ANM, concentra quase 80% da extração de ferro no Brasil e produziu, de janeiro a março deste ano, 81,9 milhões de toneladas de minério de ferro, volume que representa uma queda de 4,9% na comparação com o primeiro trimestre do ano passado, quando foram produzidas 86,2 milhões de toneladas da commodity.

O avanço das exportações, em meio a preços mais altos, poderá colaborar para uma recuperação esperada pela Vale no terceiro trimestre de 2019, após a companhia sofrer dois prejuízos trimestrais na primeira metade do ano, com impacto do desastre de Brumadinho.

Principais minas: 33 no Quadrilátero Ferrífero (MG); N4 e N5 (PA).

Figura 05 - Mina de minério de manganês. Fonte: Allseasongloba.

Manganês

A Vale concentra quase 50% da extração de manganês no Brasil segundo dados da ANM. Em 2017, produziu 1,4 milhão de toneladas de minério de manganês na Mina do Azul, 673.000 toneladas em Urucum e 80.000 toneladas na Mina Morro da Mina.

Com a exaustão estimada da Mina do Azul em um horizonte de 10 anos, o Brasil terá pela primeira vez um papel menos significante no mercado internacional de manganês. Na medida em que as minas de manganês forem entrando em processo de exaustão, a cotação desse bem mineral tenderá a uma valorização que, por sua vez, viabilizará jazidas de menor porte e com maior custo de produção.

Principais minas: Azul (PA); Lucas (MG); Urucum (MS), Comin (MS); Buritirama (PA); Morro da Mina (MG).

Figura 06 - Nióbio. Fontes: Revista Pesquisa, FAPESP.

Nióbio

De acordo com o Serviço Geológico do Brasil (CPRM), o país é responsável por cerca de 90% de toda a comercialização de nióbio no planeta, seguido com larga distância por Canadá e Austrália e cerca de 98% da reserva mundial. Grande parte dessas minas é conhecida, mas ainda não exploradas.

Segundo dados da ANM, a Niobras Mineração e a Companhia Mineradora do Pirocloro de Araxá são responsáveis por quase toda a extração nacional de nióbio.

Principais minas: Barreiro (MG) e Boa Vista (GO).

Figura 07 - Níquel. Fonte: Nickel Institute.

Níquel

Desde o início do ano, os preços do níquel começaram a subir e hoje é o metal de base com melhor desempenho de 2019. O preço do níquel atingiu uma alta de 16 meses em agosto de 2019, atingindo mais de US$ 16 mil/t na London Metals Exchange (LME). O preço subiu ainda mais nos primeiros dias de setembro, passando para US $ 18.000 / tonelada na LME.

Segundo dados da ANM, a Anglo American é responsável por quase 60% da extração nacional de níquel. O Brasil, com seus recursos e potencial geológico, apresenta condições de se transformar em um dos maiores produtores no mercado internacional desse minério.

Principais minas: Santa Rita (BA); Buriti (GO); Barro Alto (GO); Niquelândia (GO) e Onça-Puma (PA).

Figura 08 - Ouro. Fonte: ShutterStock.

Ouro

O Brasil é historicamente um grande produtor de ouro, entre o final do século 19 até o final do século 20 o Brasil liderou a produção aurífera mundial. Nos últimos cinco anos foram minerados 406 toneladas do metal precioso, segundo dados da ANM. Significa que o país produz, em média, 81,2 toneladas por ano.

Atualmente estamos em 11° lugar e com um potencial crescente, em especial em áreas relativamente pouco conhecidas da Província Carajás, Tapajós e em partes de Mato Grosso, além do Maranhão. O mesmo ocorre em regiões de conhecimento mais avançado, tais como o Quadrilátero Ferrífero.

Ainda segundo dados da ANM, duas empresas concentram 51% da extração de ouro no Brasil. A principal é a canadense Kinross, a outra é a sul-africana AngloGold. Os pequenos garimpos, por sua vez, correspondem a cerca de 10% da produção no país.

Principais minas: Fazenda Nova (GO); Aurizona (MA); Jacobina (BA); Morro do Ouro (GO); Pedra Branca do Amapari (AP); Crixás (GO); São Vicente (MT); São Francisco (MT); Santa Bárbara (MG); Sabará (MG); Cocais (MG) e Caeté (MG).

Grande potencial!

Os investimentos na mineração continuam a se concentrar no estado tradicional em mineração de Minas Gerais, mas dados do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) ilustram a importância crescente do estado do Pará como um importante destino de investimentos de mineração no presente e no futuro. Pode-se afirmar ser ainda elevado o potencial para descobertas de novos depósitos minerais brasileiros, muitos recursos minerais ainda estão por ser explorados.

Potencial mineral o Brasil possui, e grande. No entanto, o ainda baixo conhecimento geológico territorial e mesmo de nossas províncias minerais,os baixos investimentos realizados em pesquisa mineral, a legislação atual e a atratividade para investimentos em exploração mineral no país impedem um pleno desenvolvimento da mineração no Brasil.

Visite adimb.jazida.com e veja a localização das principais minas em atividade no Brasil.

Fonte: adimb.jazida.com

Gostou desse conteúdo?

Clique no botão abaixo, faça o seu cadastro gratuito no Jazida.com e consulte todos os minérios explorados no Brasil:


Referências Bibliográficas

http://abal.org.br/. Associação Brasileira do Alumínio. Acesso em 19 de setembro de 2019.

http://www.anm.gov.br/. Agencia Nacional de Mineração. Acesso em 19 de setembro de 2019.

http://ccaluminio.com.br/. Centro Cultural do Alumínio. Acesso em 19 de setembro de 2019.

https://www.cprm.gov.br/. Serviço Geológico do Brasil. Acesso em 20 de setembro de 2019.

https://economia.uol.com.br/. Exportações de minério de ferro do Brasil têm maior volume desde outubro de 2018. Acesso em 20 de setembro de 2019.

https://www.gazetadigital.com.br/. Brasil extrai 406 toneladas de ouro em 5 anos e movimenta cerca de R$ 70 bilhões. Acesso em 02 de outubro de 2019.

https://horizonteminerals.com/. Horizonte Minerals. Acesso em 20 de setembro de 2019.

https://www.inthemine.com.br/. Revista In The Mine. Acesso em 20 de setembro de 2019.

https://www.noticiasdemineracao.com/. Notícias de Mineração. Acesso em 20 de setembro de 2019.

https://www.procobre.org/pt/. Instituto Brasileiro do Cobre. Acesso em 18 de setembro de 2019.

You’ve successfully subscribed to Jazida
Welcome back! You’ve successfully signed in.
Great! You’ve successfully signed up.
Your link has expired
Success! Check your email for magic link to sign-in.