Projetos Cobre Bom Jardim e Fosfato de Miriri - contexto econômico e geológico

Cinco ativos minerários de propriedade da CPRM foram qualificados no PPI até o momento. Em 2019 foi leiloado e arrematado o Complexo Polimetálico de Palmeirópolis, em Tocantins, e a atual licitação publicada dia 30/11/20, contempla os projetos “Cobre Bom Jardim e Fosfato de Miriri”.

O projeto Cobre de Bom Jardim corresponde a um depósito de cobre com ocorrência de cobalto e ouro associados, em uma área total de 1.000 hectares. Geologicamente está inserido na província estrutural de Tocantins, que configura um sistema de dobras, empurrões, metamorfismo e retrabalhamento crustal durante a Orogênese Brasiliana.

A área tornou-se objeto de interesse para a CPRM em 1970, quando o Serviço Geológico identificou anomalias radiométricas na região.

De acordo com a CPRM, o estudo realizado na região avaliou capacidade para 12,2 milhões de toneladas de minério com teor médio de 0,21% de cobre e 0,025 ppm de cobalto.

Já o projeto Fosfato de Miriri, está localizado uma área correspondente a 6.112,18 hectares, geologicamente inserido na Bacia Sedimentar Costeira de Pernambuco-Paraíba, de idade cretácica-paleocênica, cuja evolução tectono-geológica está diretamente relacionada à formação do Atlântico-Sul.

Os estudos apontam a existência de 114,7 milhões de toneladas de minério com teor médio de 4,19% chegando a até 18% de P2O5.

Os dois projetos preveem intensa movimentação no mercado. Na figura 01 podemos perceber que a região do Projeto Fosfato de Miriri possuí um histórico interessante quando se trata de mineração.

Ao realizar a pesquisa no Jazida.com “Áreas em Disponibilidade>Leilão CPRM” pelo filtro ao lado esquerdo do mapa, os projetos da atual licitação são carregados no Mapa (processos hachurados em roxo). Alinhado a essa pesquisa, utilizamos a ferramenta “buffer” e buscamos processos minerários em um raio de 35 km.

O resultado foi bem interessante!

Figura 01: Pesquisa realizada na região do Projeto Fosfato de Miriri e processos minerários próximos. Fonte: Jazida.com

Na legenda, ao lado direito da tela, podemos observar alguns números, por exemplo:  181 pedidos de lavra em análise, 108 processos com lavra autorizada e 90 processos em fase de pesquisa. Por meio desses dados podemos perceber que é uma região bastante diversa, que possuí projetos avançados e também projetos em fases iniciais, que podem trazer grandes resultados!

É uma região com grande potencial.

Ah, e não se esqueça! No Jazida.com você também pode fazer pesquisas similares a essa analisando as áreas em Disponibilidade da ANM.

Estima-se que o Projeto Cobre Bom Jardim gere investimentos da ordem de 100 milhões de reais e 17 milhões de reais anuais em arrecadação de impostos durante a vida útil do empreendimento, além da geração de 150 empregos diretos e 1.000 indiretos nas localidades dos projetos.

O Projeto Fosfato Miriri também apresenta números positivos, ele pode gerar investimentos da ordem de 200 milhões de reais e 30 milhões de reais anuais em arrecadação de impostos durante a vida útil do empreendimento, além da geração de 250 empregos diretos e 2.000 indiretos nas localidades dos projetos.

Ambos têm o objetivo de cumprir com a desestatização dos ativos minerários do CPRM que foram pesquisados na década de 1980 e que desde então não foram disponibilizados para venda.

O vencedor do leilão será definido pela maior proposta de bônus de assinatura, partindo de R$2 milhões, com pagamentos em parcelas crescentes ao longo das etapas de pesquisa complementar, cessão de títulos minerários e concessão de lavra. Ao vencedor caberá executar etapa de pesquisa complementar na área e, se constatada a viabilidade da lavra, 1% da receita bruta obtida com a operação da mina será pago a título de royalty à CPRM.

Além dos cinco projetos já qualificados no PPI (Complexo Polimetálico de Palmeirópolis/TO, Projeto Fosfato Miriri, Projeto Cobre Bom Jardim, Carvão de Candiota/RS e Caulim de Rio Capim/PA), a CPRM detém outros 25 ativos minerários que deverão ser oferecidos à iniciativa privada nos próximos anos, como é mostrado na Figura 02. São áreas que estão há mais de 30 anos inexploradas, sem gerar receitas para a União, porém com significativo potencial mineral.

Figura 02: Bloco de áreas pertencentes a CPRM localizados no Rio Grande do Sul. Fonte: Jazda.com

Assim como o CPRM, a ANM também realizou um leilão de áreas em 2020, o lote piloto que ofertou 502 áreas, se encerrou com recorde de interessados. A agência tem como objetivo a realização de novos leilões futuramente, fazendo com que outras áreas também sejam ofertadas ao mercado.

Para consultar o Edital  do projeto Fosfato Miriri (PE-PB) clique aqui.

Para consultar o Edital do projeto Cobre Bom Jardim (GO), clique aqui.

Como podemos perceber, o mercado está em constante movimentação e podemos esperar grandes investimentos no setor nos próximos anos.

Por isso, conte com o Jazida.com para levar o melhor do gerenciamento de processos minerários e ambientais para o seu negócio!

Referências

Notícias de Mineração Brasil: https://www.noticiasdemineracao.com/metais-b%C3%A1sicos/news/1399831/tcu-aprova-leil%C3%A3o-do-projeto-cobre-de-bom-jardim-em-goi%C3%A1s. Acesso em 26 de novembro de 2020.

Serviço Geológico do Brasil: http://www.cprm.gov.br/publique/Noticias/Projeto-de-fosfato-de-Miriri%7CPE-PB-avanca-no-TCU-6400.html. Acesso em 26 de novembro de 2020.

Agência Nacional de Mineração:  https://www.gov.br/anm/pt-br/assuntos/noticias/disponibilidade-de-areas-lote-piloto-se-encerra-com-recorde-de-interessados. Acesso em 26 de novembro de 2020.

Petrologia e Metalogenia do depósito Cobre Bom Jardim de Goiás: https://core.ac.uk/download/pdf/33539972.pdf. Acesso em 26 de novembro de 2020.

FOSFATO DE MIRIRI - ESTADOS DE PERNAMBUCO E PARAÍBA .http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/bitstream/handle/doc/1551/rel_fosfato_miriri.pdf?sequence=1&isAllowed=y.  Acesso em 26 de novembro de 2020.

https://www.jazida.com/